Sintomas, causas e tratamento da xilofobia

O xilofobia (também chamado de hilofobia) é o medo irracional da madeira, seus derivados ou os materiais que a imitam. Esse medo pode, portanto, ocorrer na frente de objetos de madeira, florestas ou qualquer lugar que contenha madeira. O medo de objetos que simulam madeira também pode ocorrer. A palavra xilofobia vem do grego, xýlon que significa madeira e fobos que significa medo.

Como qualquer fobia específica, esse medo ou medo irracional começa a ser prejudicial à pessoa que sofre quando limita sua vida diária. Por exemplo, as pessoas que sofrem desta fobia não podem ir a qualquer lugar que tenha madeira (casas, escritórios, restaurantes, museus, etc.), nem andar ou caminhar sobre pisos de madeira ou derivados, evitando-os continuamente.



Tudo isso limita consideravelmente a vida da pessoa que sofre, porque tem que decidir continuamente para quais lugares ela pode ou não ir, dependendo da possibilidade de encontrar algum objeto ou utensílio de madeira.

Neste ponto, é aconselhável ir a um profissional para ajudá-lo a superar esse medo e desenvolver sua vida normalmente.

Sintomas de xilofobia
Os sintomas podem aparecer na presença de objetos de madeira ou quando a pessoa os imagina ou se imagina no lugar temido.

Os sintomas variam dependendo da pessoa e do momento, nem todos os indivíduos apresentam os mesmos sintomas ou sofrem com a mesma gravidade. Entre as manifestações mais frequentes de fobia geralmente aparecem:

Medo ou pânico. É a sensação de desconforto e angústia diante da ocorrência ou a possibilidade de que uma situação temida ocorra. Existe o medo que é normal e adaptativo que todas as pessoas experimentam quando confrontadas com certos estímulos. Graças a esses medos, aprendemos a lidar adequadamente com situações difíceis, perigosas ou ameaçadoras. Mas em outros momentos o medo nos bloqueia, perdemos o controle da situação e a emoção da angústia é mantida, mesmo que a pessoa saiba que isso não é necessário, que o medo é irracional. Nesse ponto, o medo torna-se pânico e se torna uma emoção negativa e prejudicial, porque altera a capacidade da pessoa de enfrentar as situações cotidianas da vida cotidiana.
Ansiedade. É uma resposta que é ativada na pessoa em situações perigosas ou ameaçadoras e as ajudará a enfrentá-las. O problema aparece quando a resposta de ansiedade não é proporcional à ameaça que é sofrida. Neste caso, estar em uma floresta ou antes de um objeto de madeira não deve desencadear a resposta de ansiedade, porque não é necessário fugir da situação, pois ela não é racionalmente perigosa.
Reações fisiológicas. Incluem todas as sensações que a pessoa percebe internamente quando está diante de objetos ou utensílios de madeira ou quando imagina diante deles. Estas reações variam dependendo da pessoa e do momento, mas as mais comuns são:
Palpitações ou taquicardia.
Dor e / ou pressão no peito.
Dificuldade em respirar, sensação de asfixia.
Transpiração excessiva, suores frios.
Secura na boca e garganta.
Dor de cabeça.
Dor intestinal, náusea, vômito, diarréia.
Sensação de tontura, vertigem.
Sensação de perda de controle sobre o corpo.
Causas
Muitas vezes não há uma única razão pela qual uma pessoa desenvolve a fobia, mas geralmente é a combinação de vários fatores.

Então vamos nomear o mais comum, mas é necessário levar em conta que apenas um desses fatores não terá sido a causa exclusiva de sua aparição.

Experiências traumáticas
No desenvolvimento de fobias específicas, quase sempre aparece um evento traumático que deixa uma marca na pessoa devido a sua gravidade ou que, sem ser especialmente grave, não foi resolvido corretamente no momento.

São geralmente experiências que aconteceram durante a infância e a adolescência, e embora a princípio a pessoa não se lembre delas ou não lhes dê importância, geralmente é a partir desse momento em que o medo se desenvolve.



Neste caso, podem ser eventos como se perder em uma floresta, ter uma experiência ruim em um lugar muito povoado de árvores ou sofrer uma agressão ou ferimentos com um utensílio de madeira.

Depois de ter sofrido essa experiência, nosso cérebro associa os objetos que são do mesmo material àquela experiência traumática, produzindo o mesmo desconforto que na época do primeiro evento. Por exemplo, uma pessoa que foi perdida na floresta por horas, ao retornar a um lugar semelhante, pode experimentar a mesma angústia e medo que naquele momento.

Essas experiências também podem causar o desenvolvimento da fobia indiretamente, isto é, se a pessoa a vê ou informa de como outra pessoa sofreu um evento desagradável relacionado ao objeto do medo.

Aprendendo
Muitas vezes, as fobias se desenvolvem porque a criança aprende a temer os objetos ou situações que seus pais ou pessoas de referência temem.

É provável que, se uma criança vê como sua mãe evita ir a uma floresta ou a lugares onde está cercada por árvores e que também verbalize o medo que tem a esses lugares, desenvolve a mesma reação de medo.

Tratamento
Quando a fobia impede que a pessoa tenha uma vida normalizada devido à angústia que ela produz e por ter que evitar continuamente certos lugares e objetos, é aconselhável pedir ajuda a um profissional para enfrentá-la.

Diferentes tratamentos provaram ser eficazes no tratamento de fobias, que é o mais adequado, dependendo das necessidades da pessoa e do tipo de fobia sofrida. Alguns dos tratamentos mais comuns são:

Terapia Cognitivo-Comportamental
Este tipo de tratamento é um dos tratamentos mais eficazes para fobias específicas, como a xilofobia.

Neste tipo de terapia, diferentes técnicas são usadas para ajudar o paciente a entender por que a fobia está ocorrendo e como lidar com isso. Entre as técnicas utilizadas, as mais importantes são:

Psicoeducação É o processo pelo qual o terapeuta informa ao paciente as causas e origens de sua fobia. Isso permite que o paciente entenda seu problema e por que ele está sendo mantido no momento.
Exposição Esta técnica consiste em apresentar ao paciente os estímulos que ele teme, neste caso indo para um lugar povoado por árvores ou no qual existem objetos de madeira e derivados. A exposição a esses estímulos é feita de forma contratada pelo terapeuta e com prévia preparação para a situação. A exposição é prolongada até que o medo dessas situações desapareça ou diminua consideravelmente.
Técnicas de relaxamento. A tensão muscular contínua é um sintoma comum nos estados de medo. Essa tensão pode ser adaptativa e nos ajuda a fugir de um perigo, mas nos casos em que a fobia se desenvolveu, essa tensão não é necessária, porque o objetivo do qual queremos fugir não é ameaçador. A resposta de relaxamento é contrária à resposta de tensão. Quando o paciente aprende a relaxar, ele pode colocá-lo em prática a qualquer momento em que a tensão gera desconforto.
Dessensibilização sistemática. Esta técnica envolve expor o paciente aos estímulos temidos gradualmente em combinação com técnicas de relaxamento. O paciente, juntamente com o terapeuta, elabora uma lista dos objetos mais temidos e de menor importância. Por exemplo, o cabo de um garfo de madeira, uma pá de madeira, uma cadeira, uma grande peça de mobília, uma sala com o piso e móveis de madeira, etc. até alcançar o estímulo que produz mais medo, por exemplo, estar em uma floresta. Uma vez preparada a lista, o paciente começa a encarar o primeiro estímulo, de maneira real ou imaginária. Até que o estímulo não pare de causar os sintomas do medo não é passado para o próximo da lista.
Intervenção cognitiva. A terapia cognitivo-comportamental parte da base de que as emoções negativas, como medo ou ansiedade, surgem de como o indivíduo interpreta as situações. Nesta interpretação, o perigo da situação é freqüentemente superestimado. O objetivo da intervenção cognitiva é levar o paciente a questionar essas interpretações errôneas da situação.
Técnicas de Respiração. É uma estratégia de autocontrole que é usada para regular a respiração porque é alterada em situações de pânico e ansiedade. Hiperventilação geralmente ocorre, que consiste em aumentar o oxigênio no sangue, acima dos níveis que o corpo necessita. Esta hiperventilação aparece antes da intensidade e frequência da respiração. O objetivo das técnicas de respiração é diminuir os sintomas de hiperventilação e desenvolver autocontrole sobre a situação.
Técnicas de Programação Neurolingüística (PNL)
Este conjunto de técnicas visa compreender os processos internos da pessoa para reprogramar a maneira de comunicar, a fim de mudar certas crenças para alcançar o sucesso pessoal.

Nesse caso, trata-se de eliminar o sentimento de angústia e desconforto gerado pela presença de objetos de madeira, aprendendo de maneira mais adequada a enfrentar esse medo.

Hipnose
O objetivo deste tipo de tratamento é atingir o subconsciente da pessoa através da regressão e encontrar o primeiro momento em que o medo é gerado. A situação e a razão pela qual eles desenvolveram o trauma são identificados.

Uma vez que a pessoa esteja nesse momento é introduzida na cena algum elemento que pode ajudar a lidar melhor ou de forma mais adequada. Trata-se de associar manifestações negativas a outras mais positivas, com o objetivo de que esse medo irracional se reduza ou até desapareça.



No final do processo, o indivíduo tem controle sobre a situação porque conseguiu romper a associação negativa que tinha com o objeto ou situação desde a primeira ocorrência. Às vezes, essa regressão requer o retorno a momentos da infância, ocorridos há muitos anos ou até o paciente não se lembrava.

Uso de drogas
As diferentes investigações e estudos que foram realizados sobre o uso de drogas para o tratamento de fobias não produzem resultados decisivos sobre sua eficácia.

Em qualquer caso, o que parece claro é que o uso exclusivo de medicamentos não é eficaz para o desaparecimento da fobia.

Entretanto, drogas como benzodiazepínicos ou betabloqueadores têm sido usadas como complemento às técnicas explicadas acima. Mas os estudos realizados a esse respeito parecem indicar que o uso de drogas poderia dificultar o trabalho terapêutico de exposição, por isso seu uso no tratamento não é usual.

Estilo de vida adequado
Independentemente do tratamento que você deseja escolher para combater a fobia, há uma série de indicações diárias que contribuem para o bem-estar geral da pessoa.

Realizar estas indicações corretamente não eliminará a fobia, mas ajudará a não agravar os sintomas de angústia e desconforto. Alguns dos comportamentos mais apropriados são:

Faça exercícios físicos com frequência e de acordo com nossas possibilidades.
Dieta saudável e variada. Beba muita água para manter a hidratação e eliminar toxinas.
Durma bem.
Diminua ou evite o uso de álcool e / ou tabaco.
Reduza o consumo de cafeína e / ou teína.
Referências bibliográficas
Barlow, D.H. (2002). Ansiedade e seus distúrbios. Nova York
Barlow, D. H., Craske, M.G. (1989). Domínio de sua ansiedade e pânico. Nova York
Beck, A.T, Emery, G., Greenberg, R.L. (1985). Transtornos de ansiedade e fobias: uma perspectiva cognitiva.
Crarske, M.G. (1999). Transtornos de ansiedade: Abordagens psicológicas da teoria e tratamento. Westview Press.
Fritscher, L. (2016).Qual é o medo do bosque?
Associação Psiquiátrica Americana (2013). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. 5ª ed. Arlington, Va: Psiquiatria Americana.
Hamm, A.O(2009). Fobias Específicas. Psychiatr Clin.
أحدث أقدم